Pandemia: Há proteção com as máscaras faciais não-hospitalares?

Recentemente, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) liberou um manual com orientações gerais sobre as máscaras faciais de uso não profissional, conhecidas também como máscaras caseiras.

Como há muitas dúvidas a respeito disso, resolvemos fazer um post blog com um compilado das informações fornecidas pelo o órgão nacional.

Como devem ser as máscaras caseiras? Elas protegem mesmo?

Se feitas e utilizadas de maneira correta, elas colaboram sim na redução da incidência do vírus. Para sua composição e produção, recomenda-se que sejam evitados tecidos que irritam a pele, como poliéster puro e outros sintéticos, dando preferência a tecidos que tenham algodão. Contudo, desde que o fabricante garanta que não cause alergia, é possível também a produção com TNT (Tecido Não Tecido).

É indicado também que as máscaras sejam produzidas com 03 camadas: a primeira de tecido não impermeável na parte frontal, tecido respirável no meio e um tecido de algodão na parte em contato com a superfície do rosto. (clique aqui para ver as especificações – página 04)

Elas devem ser utilizadas por no máximo 03 horas. Após esse período ou sempre que tiverem úmidas, com sujeira aparente, danificadas ou com dificuldades para respirar, as mesmas devem ser trocadas.

A ANVISA também informa que, se possível, cada pessoa tenha por volta de 05 máscaras de uso individual que cubram toda a área da boca e nariz, sem que sobre espaços laterais. E para manter a eficácia da máscara, não use batom ou maquiagem por baixo dela; tenha também o cuidado de não tocá-la quando estiver utilizando-a, do contrário, faça imediatamente a higienização das mãos.

O fato é que esta opção anda ganhando o mercado, pois além de ser reutilizável, podendo ser usada até 30 lavagens, é econômica e contribui com as costureiras locais e pequenos comerciantes .

E quem deve usar as máscaras descartáveis hospitalares?

Já as máscaras profissionais devem ser deixadas apenas para quem tem grande risco de contaminação devido a exposição. Segue os principais grupos que devem utilizar:

  • Profissionais da saúde durante a atuação;
  • Pacientes contaminados ou suspeitos;
  • Pessoas que cuidam de pacientes contaminados;

É importante também…

Ressaltar que somente o uso da máscara sem as demais medidas de precaução acaba sendo ineficaz. O ideal é a combinação de todos os cuidados. Confira abaixo mais ações preventivas:

  • Higienização das mãos com água e sabão ou álcool em gel (70%) com maior frequência;
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca;
  • Sair somente quando for necessário;
  • Ao tossir ou espirrar, cobrir a boca e o nariz com o antebraço;
  • Evitar encostar nas paredes dos elevadores e corrimões;
  • A cada duas horas higienizar o elevador;
  • Manter distância de mais de 1m de outras pessoas em filas;

Para informações completas, modo de lavagem e maiores explicações sobre o produto, clique aqui.

Deixe uma resposta